Notícias

Noticias Apremavi

18/10/2018

Acompanhe a Apremavi nas mídias sociais e pelo site

leia mais...

Apremavi

Apremavi
 
 
 
 
 
 

 

 

 

A Apremavi foi fundada no dia 9 de julho de 1987, na cidade de Ibirama- SC. Tem como missão trabalhar pela defesa, preservação e recuperação do meio ambiente, dos bens e valores culturais, buscando a qualidade de vida na Mata Atlântica e em outros Biomas.

Criada por 19 pessoas, conta atualmente com cerca de 400 sócios que contribuem nos trabalhos, entre agricultores, professores, bancários, estudantes, empresários, médicos, advogados, biólogos, agrônomos e outros profissionais, de diversas regiões de Santa Catarina e do Brasil e também de outros países.

Seu início na cidade de Ibirama foi pautado quase que totalmente em trabalho voluntário, mas sempre amparado em dois eixos claros de atuação: teoria e prática. Ao mesmo tempo em que apresentava denúncias de desmatamento de florestas nativas, a Apremavi iniciou as pesquisas empíricas para a produção de mudas nativas, sempre tentando oferecer uma alternativa às ações destrutivas que eram comuns na região.

Com a mudança para a cidade de Rio do Sul em 1990, se inicia a fase da profissionalização. Novos projetos são desenvolvidos e mais pessoas contratadas. Além disso, é instalada em Atalanta uma unidade de campo, onde começa a funcionar de uma forma mais profissional, o viveiro Jardim das Florestas. O viveiro que foi idealizado já em 1987 e que começou com cerca de 18 mudinhas no fundo do quintal em Ibirama, hoje têm capacidade instalada para a produção de aproximadamente 1.000.000 mudas de cerca de 120 espécies nativas diferentes.

 

Saiba mais sobre a Apremavi clique aqui.

 

 

 

 
 
 

 
 

Projetos

Restaura Alto Vale

 
 
 
 
 
 

Projeto Restaura Alto Vale, que será executado de 2018 a 2020,  tem como objetivo restaurar áreas degradadas da Mata Atlântica, contribuindo com a adequação de propriedades rurais e a conservação de mananciais hídricos e da biodiversidade no Alto Vale do Itajaí.

Tem o apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, tendo sido aprovado no edital BNDES Restauração Ecológica – Foco 01/2015.  O edital tem como objetivo propiciar o aumento da cobertura vegetal com espécies nativas, além de fortalecer a estrutura técnica e de gestão da cadeia produtiva do setor de Restauração Ecológica no Brasil. O edital recebeu mais de 70 propostas, sendo aprovados doze projetos, entre eles o da Apremavi.

São parceiros do projeto a AMAVI, a UNIDAVI, a EPAGRI, a Prefeitura Municipal de Atalanta e o ICMBio, assim como vários outros atores locais.

O público beneficiário são agricultores familiares, que tenham propriedades com tamanho de até quatro módulos fiscais. A região prioritária será o Alto Vale do Itajaí, mas existe a possibilidade de atuação também no Médio Vale do Itajaí e Planalto Norte de Santa Catarina. Para estarem aptas a receber apoio do projeto, as propriedades deverão estar cadastradas no Cadastro Ambiental Rural, o CAR.

O Restaura Alto Vale é uma ótima oportunidade para o agricultor familiar recuperar as áreas de preservação permanente de sua propriedade e adequar-se a legislação ambiental.

A Apremavi dará suporte técnico e fará a doação de mudas de árvores nativas. Quando necessário, poderão ser fornecidos arames para construção de cercas. Em contrapartida o agricultor deverá fornecer os demais materiais necessários, além da mão-de obra para a construção das cercas, o plantio e manutenção das áreas em restauração.

Acesse aqui o contrato de colaboração financeira assinado entre a Apremavi e o BNDES.

 

Acesse aqui as proprieades ja atendidas pelo projeto

 

 

 

O que o projeto prevê:

 

Restauração de 310 hectares de áreas degradadas localizadas em áreas de preservação permanente

 

Restauração de 10 hectares de áreas degradadas localizadas no Parque Natural Municipal da Mata Atlântica e na RPPN Serra do Lucindo

 

Produção de 450.000 mudas de árvores nativas da Mata Atlântica

 

Intercâmbio e dias de campo com o público prioritário do projeto

 

Educação ambiental e envolvimento da comunidade escolar

 

Produção de conhecimento científico sobre a restauração

 

 

Saiba 

mais:

 

 


 

Matas Legais


 
 

O Programa Matas Legais é uma parceria da Apremavi e com a empresa Klabin com o objetivo de desenvolver ações de Conservação, Educação Ambiental e Fomento Florestal, que ajudem a preservar e recuperar os remanescentes florestais nativos, a melhorar a qualidade de vida da população e a aprimorar o desenvolvimento florestal, tendo como base o planejamento de propriedades e paisagens.

A palavra “legal” procura traduzir dois sentidos: o de cumprimento da legislação ambiental e o de expressão de um lugar agradável, bonito e bom de se viver.

Por meio do programa, cuja parceria foi assinada em abril de 2005, estão sendo difundidas e implantadas ações de desenvolvimento sustentável como recuperação de áreas de preservação permanente e reservas legais; silvicultura com árvores nativas e exóticas; sistemas agroflorestais; enriquecimento de florestas secundárias; agricultura orgânica; ecoturismo e conservação do patrimônio natural.

É uma parceria inédita entre uma ONG ambientalista e uma empresa do setor de papel e celulose e que com toda certeza trará muitos frutos positivos para a questão da preservação ambiental no país.

A Klabin é a maior produtora e exportadora de papéis do Brasil. Foi a primeira empresa do setor de papel e celulose das Américas a ter suas florestas certificadas pelo FSC (Forest Stewardship Council), confirmando que a empresa desenvolve suas atividades dentro dos mais elevados padrões de conservação ambiental e sustentabilidade socioeconômica.

 

O que o projeto prevê:

 

Apoio ao planejamento e adequação ambiental, legal e paisagística da propriedade

 

Recuperação de áreas degradadas e conservação de remanescentes florestais

 

Atividades de educação ambiental

 

Doação de mudas de árvores nativas

 

Saiba mais:


Matas Sociais

O Projeto Matas Sociais – Planejando Propriedades Sustentáveis atua na região de Ortigueira, Imbaú e Telêmaco Borba, no Paraná, desde maio de 2015 com o objetivo de contribuir para o fortalecimento econômico, ambiental e social das pequenas e médias propriedades rurais desses municípios.

A diversificação da produção agropecuária e o respeito ao meio ambiente são os principais pilares da sustentabilidade de uma propriedade.

O planejamento rural deve levar em consideração a legislação ambiental vigente e as características ecológicas da área.

Medidas como a recuperação de áreas de preservação permanente e reserva legal, conservação de remanescentes florestais, planejamento na instalação das atividades produtivas, diversificação da produção agropecuária permitem conciliar beleza e qualidade de vida com produtividade e rentabilidade.

 

O que o projeto prevê:

Recuperação de áreas degradadas, conservação de remanescentes florestais e doação de mudas

 

Atividades de educação ambiental e capacitação de produtores rurais

 

Mapeamento da cobertura e uso do solo nos municípios de Ortigueira e Imbaú

 

Apoio ao planejamento e adequação de propriedades rurais à legislação ambiental

 

Apoio ao agricultor para a melhoria na produção e diversificação produtiva local

 

 

Saiba mais:

Apremavi nas Redes Sociais

Apremavi nas redes sociais

 

Curta, Compartilhe e Siga os trabalhos da Apremavi nas redes sociais

Documentos

Modulo Fiscal - SC

Contem dados dos módulos fiscais dos municípios de SC Download do arquivo

Módulo Fiscal - PR

Contem dados dos módulos fiscais dos municípios do PR Download do arquivo


Legislação

Marco Legal do CAR

Federal | Lei n°12.651, de 25, de maio de 2012 |

Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa no CAR